terça-feira, 9 de julho de 2019

Hershel - Temporada 1 - Capítulo 1.






Casa dos Dunlap, 2AM.




Matilda Dunlap havia entrado de férias e por escolha dela, ela tinha decidido que iriam passar as férias na casa de seus tios que ela amava tanto.




Ao tocar a campanhia, sua tia Nyla corria para atender a porta e dava um sorriso, ao ver que era a sobrinha.




Ela abriu a porta na hora e encheu a sobrinha de carinhos.

- Minha querida! Quando tempo você não vinha nos visitar! Você está enorme! - Ela dizia sorridente, olhando-a.



Matilda sorria alegremente. - Magina, tia! Ainda tô uma tampinha, vai ser dificil eu alcançar meu primo!

- Uhum, uhum. - Ela falou pouco, mas no seu olhar, claramente estava feliz de ver a sobrinha. - O voô chegou bem cedo… Você veio para cá de táxi?!

- Vim sim! Mamãe me deu o endereço daqui e eu só disse isso pro motorista!

As duas jogaram mais conversa for a, antes de realmente entrarem na casa, a pedido de sua tia, pois estava frio.



Mais tarde no mesmo dia, depois de Matilda tirar um cochilo, Nyla tinha preparado um café da manhã para todos.
Seu tio Robert ficou feliz em vê-la, assim como seu primo. Conversaram bastante sobre a viagem e coisas do dia a dia.



1PM.

Antes de seu tio chegar do trabalho e seu primo da faculdade, Matilda brincava alegremente lá fora, enquanto esperava sua tia fazer o almoço. A garota sentiu saudades do seu querido balanço.




Matilda começou a ficar incomodada com um miado que vinha distante… Ou… Alguém falando? Era dificil reconhecer.

- Socorro! Ei! Socorro! - Ela ouvia vindo em sua direção.

- Hmmm? - A loira pensou, um tanto confusa. Decidindo ignorar por hora.



- Menina! Ei! Por favor! Diz que você me entende! - O gato disse desesperado, fazendo Matilda ficar boquiaberta, com uma expressão assustada.

- V-Você… Tá falando comigo?! Como isso é possível?! - A menina não acreditava no que via, preferiu acreditar que era coisa da sua cabeça, que suas brincadeiras tinham ido longe demais.



- Sim! Eu tô! Meu nome é Hershel e eu preciso da sua ajuda! Você é a uma das únicas pessoas que me entende! - O tom do gato preto era ainda desesperado.

- C-Como assim?! O que eu posso fazer por você? Você quer água?! - Matilda continuou confusa, dando um suspiro.

- Não! Eu preciso que você ajude-me a encontrar Flora!

- E quem é Flora?!

- Minha tutora! Ela me entende que nem você. Vem! - O gato virou-se subitamente, começando a correr em uma direção, sem esperar uma resposta da garota.




- EI! ME ESPERA HERSHEL! - A garotinha gritou, correndo atrás do gato, que continuou miando/pedindo ajuda, por onde passavam.






Em StrangerVille.

- Finalmente estou nessa cidade! - Haley disse alegremente, se sentindo realizada, enquanto andou em direção a sua pequena casa.


- Bom… Agora aqui, eu consigo encontrar a fábrica que meu vô trabalhou. - Ela pensou, suspirando fundo. Haley estava contente com toda a mobília, era como ela pediu.


Ela atualizou seus familiares sobre a viagem, dizendo que estava bem, segura e que iria encontrar a fábrica em que seu falecido avô trabalhou.


4PM.

Haley aproveitou o ar fresco do lado de fora, atualizando seu gps com sua nova localização e buscando rotas de como iria encontrar a fábrica… Mas uma figura, no mínimo curiosa, chamou sua atenção.



Era uma mulher, com olhos arregalados e um sorriso que Haley considerou assustador, a mulher andou na direção da casa da morena.


Haley sentiu calafrios, mas não hesitou em ver do se tratava aquilo.

- É… É… Moça?! - Haley perguntou preocupada, com medo e muito receosa.



- SE JUNTE A MAMÃE! ELA TRARÁ PAZ! - A mulher disse em um tom de voz nada normal, fazendo com que Haley se assustasse.




Em algum lugar do quarto império.







Os dois deram suspiros confusos, olhando a gaiola. Eles se olharam, a mulher arqueou as sobrancelhas e segurou o ar.


- EU FALEI QUE ERA CULPA SUA! A GENTE NÃO DEVERIA TER DADO OUVIDOS AQUELE GATO MALDITO! VOCÊ É BURRO! BURRO! - Ela berrou. Seu tom de voz claramente demonstra raiva.

O rapaz ficou quieto, suspirando fundo e então respondendo-a.

- A culpa não foi minha! Aquele bichano tem lábia boa! Ele disse que precisava de ar fresco!

- Ar fresco?! - Ela deu uma risada sínica. - Você é patético. Nossa maior prova de que os animais sabem se comunicar sumiu! E a culpa é SUA! S-U-A!



- O que nos resta é captura-lo de novo. - O homem disse, cerrando os dentes e fechando a cara.

- E se ele correr, você correrá atrás, dessa vez. Tá me ouvindo?! - A mulher continuava brava, ela parecia muito indgnada.

- Tá, tá. Que seja.




2PM. Na casa dos Dunlap.

- Matilda vai amar esse peixe! É o prato favorito dela! - Ela disse, enquanto cantarolava alegremente.




- Mhhmmmm! Prontinho! Prato feito para minha sobrinha preferida! - Nyla continuou a cantarolar, após dizer. - Agora só ir chama-la para comer!





Quanto mais ela se aproximava do balanço e não via Matilda, mais sua expressão de preocupação aumentava. Ela coçou os olhos, se aproximando mais e mais, até parar em frente do balanço.
- Matilda…?



CONTINUA.